Twitter se recusou a remover conteúdos de pornografia infantil porque não ‘violava políticas’, diz jornal americano

Artigo de Raul Holderf Nascimento - 21 de janeiro de 2021
960

O Twitter se recusou a retirar imagens pornográficas e vídeos compartilhados de uma adolescente que foi vítima de tráfico sexual, segundo uma reportagem do jornal New York Post, publicado nesta quinta-feira, 21 de janeiro.

De acordo com jornal estadunidense, a rede social alegou que uma investigação interna “não encontrou uma violação” das “políticas” da empresa.

O processo federal foi aberto pela vítima, que estava acompanhado da mãe, no Distrito Norte da Califórnia. De acordo com o depoimento, obtido pelo NYP, o Twitter ganhou dinheiro ilegalmente com os elementos veiculados na plataforma.

O adolescente — que agora tem 17 anos e mora na Flórida — é identificado apenas como John Doe e tinha entre 13 e 14 anos quando traficantes sexuais, se passando por uma colega de classe de 16 anos, começaram a conversar com ele no Snapchat, alega o processo.

O garoto e os traficantes supostamente trocaram fotos nuas antes que a conversa se transformasse em chantagem. A partir daí, os criminosos disseram que se o adolescente não compartilhasse mais fotos e vídeos sexuais, o material explícito que ele já enviou anteriormente seria compartilhado com seus “pais, treinador, pastor” e outros, diz o processo.

Doe, agindo sob coação, inicialmente obedeceu e enviou vídeos de si mesmo realizando atos sexuais e também foi instruído a incluir outra criança em seus vídeos, o que ele fez, ainda de acordo o processo, segundo o NYP.

Posteriormente, o garoto bloqueou os criminosos e eles pararam de assediá-lo, mas em algum momento de 2019, os vídeos apareceram no Twitter em duas contas que eram conhecidas por compartilhar material de abuso sexual infantil.

No mês seguinte, conforme a reportagem do NYP, os vídeos seriam relatados no Twitter pelo menos três vezes – primeiro em 25 de dezembro de 2019 – mas a gigante da tecnologia não fez nada a respeito até que um policial federal se envolveu no caso.

Doe tomou conhecimento dos tweets em janeiro de 2020 porque eles foram amplamente vistos por seus colegas, o que o sujeitou a “provocações, assédio, bullying cruel”. A pressão sobre o garoto foi tão grande que comportamentos suicidas tomaram conta dele, mostram os registros do tribunal.

Enquanto os pais de Doe contatavam a escola e reforçavam os relatórios policiais, ele registrou uma queixa no Twitter, dizendo que havia dois tweets mostrando pornografia infantil dele mesmo e eles precisavam ser removidos porque eram ilegais, prejudiciais e violavam as políticas do site.

Um agente de apoio esteve dando suporte e solicitou uma cópia da identidade de Doe para que pudessem provar que era ele e, depois que o adolescente concordou, não houve resposta por uma semana, afirma a família.

Na mesma época, a mãe de Doe entrou com duas reclamações no Twitter relatando o mesmo material e, por uma semana, ela também não recebeu resposta, de acordo com o processo.

Finalmente, em 28 de janeiro, segundo o NYP, o Twitter respondeu a Doe e disse que não excluiria o material, que já havia acumulado mais de 167.000 visualizações e 2.223 retuítes.

“Agradecemos seu contato. Revisamos o conteúdo e não encontramos nenhuma violação de nossas políticas, portanto, nenhuma ação será tomada neste momento ”, diz a resposta, de acordo com o processo.

“Se você acredita que há uma possível violação de direitos autorais, inicie um novo relatório. Se o conteúdo estiver hospedado em um site de terceiros, você precisará entrar em contato com a equipe de suporte desse site para relatá-lo. Sua segurança é a coisa mais importante, e se você acredita que está em perigo, encorajamos você a entrar em contato com as autoridades locais”, acrescentou a nota da rede social.

Em resposta, publicada na denúncia, Doe ficou completamente transtornado.

“O que você quer dizer com não vê um problema? Nós dois somos menores agora e éramos menores na época em que esses vídeos foram feitos. Nós dois tínhamos 13 anos. Fomos iscados, perseguidos e ameaçados de levar esses vídeos que agora estão sendo postados sem nossa permissão. Não autorizamos esses vídeos EM TODOS e eles precisam ser retirados ”, escreveu o adolescente ao Twitter.

O garoto chegou  incluiu o número do seu caso de uma agência local de aplicação da lei, mas ainda assim o Twitter supostamente ignorou e se recusou a fazer qualquer coisa sobre o material ilegal de abuso sexual infantil – enquanto ele continuava a obter mais e mais visualizações.

Dois dias depois, a mãe de Doe recebeu o suporte de um agente do Departamento de Segurança Interna por meio de um contato mútuo. Após isso, os vídeos foram removidos com sucesso.

“Somente após essa demanda de retirada de um agente federal, o Twitter suspendeu as contas de usuário que distribuíam o CSAM e denunciou o CSAM ao Centro Nacional de Crianças Desaparecidas e Exploradas”, afirma a ação, movida pelo Centro Nacional de Exploração Sexual e dois escritórios de advocacia.

“Isso é diretamente diferente do que a mensagem de resposta automática e o Contrato do usuário afirmam que eles farão para proteger as crianças”.

O processo assegura que o Twitter hospeda intencionalmente creeps que usam a plataforma para trocar material pornográfico infantil e lucrar com isso, incluindo anúncios intercalados entre tweets anunciando ou solicitando o material.

Procurado pelo New York Post, a rede social se recusou a comentar o caso.


960
FONTE: Conexão Politica por Raul Holderf Nascimento


PRINCIPAIS NOTÍCIAS


8 meses

COLUNA: América debilitada

Conexão Politica
11 meses

O preconceito contra Mike Pence

Conexão Politica
2 anos

Doe um livro

Conexão Politica
2 anos

Censura nas redes sociais

Conexão Politica

FULNATION - A Verdade é o nosso compromisso! ©