Noruega alerta sobre riscos de vacinação para idosos e doentes, após 23 pessoas morrerem no país depois de receberem a vacina

Artigo de Thaís Garcia - 15 de janeiro de 2021
970

Autoridades de saúde da Noruega disseram que as vacinas contra a Covid-19 podem ser muito arriscadas para os muito idosos e doentes terminais, segundo informações da Bloomberg.

Autoridades norueguesas disseram que 23 pessoas morreram no país pouco tempo depois de receberem a primeira dose da vacina. Dessas mortes, 13 foram autopsiadas, com os resultados sugerindo que os efeitos colaterais comuns podem ter contribuído para reações graves em idosos frágeis, de acordo com a Agência Norueguesa de Medicamentos.

“Para aqueles com fragilidade mais severa, mesmo os efeitos colaterais relativamente suaves da vacina podem ter consequências graves”, disse o Instituto Norueguês de Saúde Pública. “Para aqueles que têm uma vida restante muito curta, o benefício da vacina pode ser marginal ou irrelevante.

De acordo com a Bloomberg, a recomendação não significa que pessoas mais jovens e saudáveis ​​devem evitar a vacinação. Mas é uma indicação precoce do que observar quando os países começarem a emitir relatórios de monitoramento de segurança sobre as vacinas. Emer Cooke, o novo chefe da Agência Europeia de Medicamentos, disse que rastrear a segurança das vacinas contra a Covid, especialmente aquelas que contam com novas tecnologias como o RNA mensageiro, seria um dos maiores desafios, uma vez que as vacinas fossem amplamente implementadas.

Leia também: Médica mexicana é internada com ‘quadro clínico grave’ após sofrer efeitos adversos da vacina contra covid-19 da Pfizer

A Pfizer e a BioNTech estão trabalhando com o regulador norueguês para investigar as mortes na Noruega, disse a Pfizer em um comunicado por e-mail. A agência descobriu que “o número de incidentes até agora não é alarmante e está de acordo com as expectativas”, disse a Pfizer.

Nos EUA, as autoridades relataram 21 casos de reações alérgicas graves de 14 a 23 de dezembro após a administração de cerca de 1,9 milhões de doses iniciais da vacina desenvolvida pela Pfizer Inc. e BioNTech SE. Isso é uma incidência de 11,1 casos por milhão de doses, de acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças.

Leia também: Médico morre após receber vacina da Pfizer nos EUA; caso segue em investigação

Embora ambas as vacinas Covid-19 aprovadas até agora na Europa tenham sido testadas em dezenas de milhares de pessoas – incluindo voluntários em seus 80 e 90 anos – o participante médio do ensaio estava na casa dos 50 anos. As primeiras pessoas a serem imunizadas em muitos lugares são mais velhas do que isso, pois os países se apressam em inocular residentes de lares de idosos com alto risco para o vírus.

A Noruega aplicou pelo menos uma dose em cerca de 33.000 pessoas, com foco naquelas consideradas de maior risco se contraírem o vírus, incluindo os idosos. A vacina Pfizer-BioNTech aprovada no final do ano passado tem sido usada de forma mais ampla, com uma vacinação semelhante a da Moderna Inc., aprovada no início deste mês e que agora também está sendo administrada.

De 29 casos de efeitos colaterais potenciais investigados pelas autoridades norueguesas, quase três quartos ocorreram em pessoas com 80 anos ou mais, disse o regulador em um relatório de 14 de janeiro.

Leia também: Profissional de saúde do Alasca é hospitalizado após sofrer “reação grave” à vacina contra a covid-19 da Pfizer

Na França, um paciente de risco morreu em uma casa de saúde duas horas depois de ser vacinado, mas as autoridades disseram que, devido ao histórico médico anterior do paciente, não há indicação de que a morte estava ligada à vacina. A agência francesa de segurança farmacêutica relatou na quinta-feira quatro casos de reações alérgicas graves e dois incidentes de batimento cardíaco irregular após a vacinação.

O primeiro relatório de segurança em toda a Europa sobre a vacina Pfizer-BioNTech provavelmente será publicado no final de janeiro, disse o comitê de medicamentos do regulador nesta sexta-feira. Os fabricantes de vacinas devem enviar dados mensalmente.

No Reino Unido, que realizou mais imunizações per capita do que em qualquer outro lugar na Europa, as autoridades avaliarão os dados de segurança e planejam publicar detalhes das reações suspeitas “regularmente”, disse a Agência Reguladora de Medicamentos e Produtos de Saúde.


970
FONTE: Conexão Politica por Thaís Garcia


PRINCIPAIS NOTÍCIAS


FULNATION - A Verdade é o nosso compromisso! ©